burnout

A palavra Burnout tem origem na língua inglesa, a partir da união de dois termos: burn e out, que respectivamente significam queimar e fora. A união dos termos é traduzida por algo como “ser consumido pelo fogo”. A partir da década de 80, autores passaram a usar esse termo para nomear a síndrome decorrente da exaustão emocional humana, ou seja, uma condição em que o sujeito tem suas energias consumidas.

A Síndrome de Burnout, como é chamada, compreende uma condição de estresse ligado ao trabalho, cuja definição ainda não é um conceito fechado. Entre as principais características dessa exaustão se encontra a falta de energia, a sensação de sobrecarga emocional constante e de esgotamento físico e mental.

Em geral, a síndrome atinge profissionais que lidam diretamente e de forma intensa com pessoas. É o caso de profissionais das áreas de educação, assistência social, saúde, humanas, bombeiros, policiais, advogados e jornalistas.

A Síndrome de Burnout, ou esgotamento profissional, decorre de um estresse prolongado no trabalho. É como se o corpo e a mente dissessem: “Agora chega!”. Um cansaço devastador revela a falta absoluta de energia. Todas as reservas se esgotam. No trabalho, a pessoa, antes competente e atenciosa, liga o “piloto automático”. No lugar da motivação surge irritação, falta de concentração, desânimo, sensação de fracasso.

Essa Síndrome não deve ser confundida com a tensão diária que vivemos nos problemas de trabalho, pois o Burnout não se refere a um evento ou período específico em que ficamos mais estressados, e sim a um estado de estresse crônico com consequências muito mais severas. O diagnóstico leva em consideração a construção histórica do paciente, os fatores a que ele é exposto dentro e fora do trabalho e o quão realizado ele é, em relação as suas expectativas.

Há diversos sintomas, que, em fase inicial, até se confundem com a Depressão. Por isso, é importante um diagnóstico detalhado. Desta forma, os sintomas físicos da Síndrome de Burnout incluem:

  • Dores de cabeça constantes;
  • Tonturas;
  • Alterações no sono;
  • Problemas digestivos;
  • Falta de ar;
  • Excesso de cansaço.

Já os sintomas psíquicos podem ser:

  • Ansiedade;
  • Dificuldade em concentrar-se;
  • Variações de humor;
  • Perda de motivação no emprego;
  • Ficar isolado dos colegas de trabalho.

Além disto, outros sinais da Síndrome de Burnout incluem o indivíduo demorar muito tempo em realizar as suas tarefas profissionais, assim como faltar ou chegar atrasado muitas vezes ao trabalho.

A síndrome envolve três componentes, que podem aparecer associados, mas são independentes:

  • Exaustão emocional: falta de energia associada a sensação de esgotamento emocional. O profissional sente que não possui mais energia para desenvolver suas atividades;
  • Despersonalização: indiferença em relação às atividades cotidianas do trabalho, presença de atitudes negativas e comportamentos de cinismo e dissimulação afetiva, até o tratamento de pessoas do convívio como objetos;
  • Falta de envolvimento com o trabalho ou baixa realização profissional: sensação de incapacidade, baixa autoestima, desmotivação e infelicidade no trabalho, afetando até a habilidade e a destreza.

A partir desses sintomas, o profissional desenvolve comportamentos como: negligência ou perfeccionismo, agressividade nas relações cotidianas, perda da flexibilidade emocional e da capacidade de relaxar e planejar. Além disso, tende ao isolamento, à perda de interesse pelo trabalho e outras atividades.

As mudanças também são graduais e em fases. O sono já não consegue reparar o organismo. Períodos de excitação se intercalam com horas em que se sentem mortos-vivos. Na etapa seguinte, a queda no rendimento levanta dúvidas quanto à própria capacidade. Depois, predomina a agressividade. Os hormônios liberados nos ataques de ira ampliam o risco de Diabetes, Cardiopatias, Doenças Autoimunes, Crises de Pânico e Depressão. Por último, instala-se o esgotamento total.

Além disso, as consequências da Síndrome de Burnout vão além do ambiente de trabalho e afetam sua família, amigos e parceiros, podendo até causar prejuízos significativos para as empresas.

Como a grande maioria dos casos de adoecimento psicológico com consequências de somatização, o tratamento da Síndrome de Burnout deve compreender uma estratégia multidisciplinar: farmacológico, psicoterapêutico e médico. É sempre importante ressaltar a relevância de um diagnóstico realizado de maneira competente, para que não se cometa erros, como a confusão entre Burnout e Depressão, bastante comum nos estágios iniciais, pela similaridade de sintomas.

No tratamento psicoterapêutico, o psicoterapeuta ajudará a identificar as raízes do problema e a encontrar os recursos necessários para lidar de uma maneira mais saudável e equilibrada com as demandas do paciente.

Com relação ao uso de medicamentos, o tratamento normalmente associa-se a antidepressivos e ansiolíticos. Este tratamento deve estar vinculado ao acompanhamento psicológico, que potencializa os efeitos do uso de medicamentos por meio da ressignificação e da retomada dos sentidos da história de vida do sujeito.

Além desses, o acompanhamento médico e a alteração de hábitos são dimensões importantes. O encaminhamento para novas práticas cotidianas como exercícios físicos e de relaxamento é de extrema importância.

Se perceber alguns dos sintomas, não deixe que eles tomem conta da sua vida. Há casos em que essa síndrome resulta em Depressão profunda e até ideias suicidas. Portanto, se identificar alguns dos sintomas, busque soluções o mais rápido possível, incluindo orientação especializada. Busque atividades prazerosas e de relaxamento para diminuir a tensão. Procure ter uma vida social e afetiva mais rica e evite centrar sua vida somente no trabalho.

Anúncios

4 comentários em “Síndrome de Burnout: Quando o Trabalho Ameaça o seu Bem-Estar

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s